Archive by Author

Bolo de Milho

6 Maio

Receita:

Ingredientes:

  • 500 gr. de farinha de milho
  • 125 gr. de farinha de trigo
  • 2 dl. de água a ferver
  • 625 gr. de açúcar amarelo
  • 2 colheres de sobremesa (rasas) de erva doce em pó
  • 2 colheres de chá de canela
  • 1 colher de sopa de banha
  • 1 ovo

Preparação:

Escaldam-se as farinhas e a banha, com a água a ferver. Amassa-se tudo e deixa-se descansar, misturado com todos os aromas e o ovo. Batendo todos os ingredientes, deita-se todo o preparado num tabuleiro, previamente untado e polvilhado com farinha. Enfeita-se com amêndoas torradas. Vai ao forno médio.

Anúncios

Península de Setúbal

6 Maio

A Península de Setúbal é enquadrada por dois grandes rios: o Tejo a Norte, e o Sado a Sul, que influenciaram a humanização da Península. Esta é uma região indissociável do elemento água que ajudou a transformar a paisagem e tem sido um factor determinante para o enraizamento das populações, determinando modos de vida e formas de subsistência, como se comprova através dos diversos achados arqueológicos. Os romanos deixaram um importante legado cultural e de organização social que é possível vislumbrar através dos vestígios arqueológicos encontrados por todo o país, e em particular, na Península de Setúbal. “Um patamar rochoso da encosta de serra de S. Luís (concelho de Setúbal), defendido por altas escarpas e conhecido pelo nome de Pedrão (SOARES e SILVA, 1973), que durante o Calcolítico havia já sido ocupado, guarda importantes vestígios do período que precede imediatamente a presença romana. Reflecte, pela sua topografia, estruturas defensivas (muralha) e espólio (pontas de lança) o clima de insegurança e instabilidade que se vivia em meados do séc. I a.C. Com efeito, não tinha sido pacífica a ocupação romana da Península pelos exércitos de Roma. É somente a partir de Augusto que a colonização de inicia de facto.”3 A cidade de Cetóbriga dividia-se no que é hoje o Centro Histórico de Setúbal e Tróia. A produção de preparados de peixe induziu outras indústrias, como a salicultura e o fabrico de ânforas. Entre Setúbal e Alcácer do Sal, encontram-se várias olarias romanas onde se produzia o vasilhame indispensável ao transporte dos preparados piscícolas. Relativamente ao estuário do Tejo, Olisipo (nome romano da cidade de Lisboa) comandava toda actividade aí desenvolvida. Contudo, na margem esquerda surgiram indústrias cuja produção era para alimentar aquele mercado. O fabrico de salga é conhecido em Cacilhas e olarias onde se produziam ânforas têm vindo a ser conhecidas em Alcochete e no Seixal.

Cávado

6 Maio

O Cávado é uma sub-região estatística portuguesa, parte da Região Norte e do Distrito de Braga. É constituído pelos concelhos do norte do Distrito de Braga. Limita a norte com o Minho-Lima, a leste com o Alto Trás-os-Montes, a sul com o Ave e com o Grande Porto e a oeste com o Oceano Atlântico. Área: 1198 km². População (2001): 393 064

Cavacas de Resende

6 Maio

História:

Recorde-se que as cavacas, conhecidas desde tempos imemoriais, necessitam para a sua confecção de apenas três ingredientes: ovos, farinha e açúcar, sendo que depois da cozedura são cobertas com uma calda de açúcar e farinha e o resultado são doces maravilhas, que acompanhadas por um cálice de vinho do Porto fazem as delícias de muitos. Apesar da aparente facilidade de confecção desta receita, há quem afirme que as cavacas são um doce fino que só as mulheres de Resende sabem fazer.

Receita:

Ingredientes:

  • 650gr açucar;
  • 120gr farinha trigo;
  • 50gr farinha milho;
  • 6 ovos;
  • 7 gemas.

Preparação:

Leve ao lume 200gr açucar com 2dl água. deixe ferver e retire do calor. ligue o forno a 180º. Misture 50gr farinha trigo com a de milho e espalhe-as num tabuleiro. Bata os ovos com as gemas e 150gr açucar, até obter o dobro do volume. Envolva-lhe a restante farinha de trigo e verta tudo no tabuleiro. Leve-o a meio do forno, durante 45 minutos. Retire o bolo e, depois de frio, desenforme-o ; corte-o em fatias. Passe as laterais das mesmas pela calda que preparou inicialmente; reserve-as. Por ultimo, leve o restante açucar com 1dl água ao lume e deixe ferver até obter ponto de fio forte. Retire do calor e, com uma colher, barre as paredes do tacho com a calda. Quando esta começar a ficar baça, aplique-a sobre a superficie de bolo, auxiliando-se de um pincel de cozinha. Deixe secar e sirva.

Clarinhas de fão

6 Maio

História:

Seis gemas de ovos, chila, açúcar, farinha, sal e água q.b. e uma pitada de segredo são os condimentos essenciais para as famosas clarinhas de Fão, um doce regional, verdadeiro embaixador gastronómico da vila e do concelho conhecido em todo o país. Reza a história que esta é uma receita secular e um segredo religiosamente guardado por muitas gerações de famílias locais que assim garantem a genuinidade destes pastéis. Únicas e divinais, as clarinhas de Fão apresentam-se com uma massa de farinha e manteiga, fina e estaladiça, e um inconfundível recheio de chila e ovos. Raros são os que visitam esta terra e não provam e adquirem alguns exemplares destas verdadeiras e originais guloseimas.

Receita:

Ingredientes:

Massa:

  • 500 g de farinha
  • 100 g de margarina
  • 3 dl de água
  • sumo de ½ limão
  • 1 pitada de sal

Recheio:

  • 300 g de chila
  • 5 ovos
  • 3 colheres de açúcar
  • 1 colher de farinha
  • 1 pitada de canela

Preparação:

Para preparar a massa misturam-se todos os ingredientes respectivos e amassa-se, ligando muito bem a massa e deixa-se repousar durante 30 minutos. Entretanto, prepara-se o recheio, juntando, num tacho, todos os ingredientes. Deixa-se cozer até ficar bem espesso. Estende-se a massa bem fina e cortam-se pedaços ovais. Coloca-se no centro um pouco de recheio. Num dos lados, passa-se com clara batida, dobra-se a outra parte de forma a fazer meia-lua, unindo bem a extremidades e pressiona-se com os dedos. Fritam-se em óleo bem quente, virando-as para alourar de ambos os lados. Depois de fritas, retira-se o excesso de óleo com papel absorvente e polvilham-se com açúcar em pó.

Ave

6 Maio

O Ave é uma sub-região estatística portuguesa, parte da Região Norte. É constituida pelos municípios do sul do Distrito de Braga, limita a norte com o Cávado e com o Alto Trás-os-Montes, a leste e a sul com o Tâmega e a oeste com o Grande Porto. Área: 1238 km². População (2001): 509 969, o que corresponde a uma densidade populacional de 412 hab/km². Compreende 8 concelhos: [1][2]

Pão Podre

5 Maio

Receita:

Ingredientes:

  • 1 kg de farinha de trigo
  • Sal
  • 12 ovos
  • Sumo de 1 limão grande •40 g de fermento de padeiro
  • 150 ml de azeite
  • 250 g de açúcar


Preparação:

Ferva o azeite e deixe amornar. Peneire a farinha com o sal para uma tigela. Junte os ovos, o sumo de limão, o fermento esfarelado e o azeite morno. Misture tudo e amasse bem, passando as mãos de vez em quando por farinha. Estando a massa bem trabalhada, adicione o açúcar e volte a amassar. Depois, polvilha-se a massa com um pouco de farinha. Tampe com um pano, embrulhe num cobertor e deixe levedar 20 horas, pelo o menos. Molde a massa em bolas (estas porções dão para 3 ou 4 broas) que, já dispostas em tabuleiros, deixe repousar 1 hora. Leve em forno quente (220ºC) cerca de 1 hora.